quarta-feira, maio 31, 2006

"é mesmo assim"

miguel esteves cardoso, um dos poucos génios vivos deste país.
citações de 1986 que, passados 20 anos, ainda são tão actuais:

- "(...) os futebolistas portugueses têm uma maneira de falar muito especializada e dissolvente. Era bom, por exemplo, que as câmaras de televisão com que se filmam as entrevistas a jogadores, viessem sempre equipadas com um simples sistema de roldanas, que fizesse accionar um martelo pesado cada vez que alguém dissesse "O futebol é mesmo assim".

- "No passado domingo, no intervalo do jogo Brasil - Espanha, o comentador, meditando sobre o tédio doloroso da 1ª parte, dizia: "Até aqui, foi um jogo monótono, mas a alta competição é mesmo assim". A síndrome do "mesmo assim" é definitivamente a contribuição principal do futebol à língua portuguesa. Porque é que os críticos literários não começam, também, a dizer: "Este romance é incompreensível, mas a literatura é mesmo assim". Ou os gastrónomos: "O bacalhau espiritual sabia a peúgas de nylon, embebidos em gasolina, mas, em última análise, quem ganha é a gastronomia, porque a alta culinária é mesmo assim".

- "A regra geral, no futebol e noutras coisas, é a seguinte: quando vir qualquer coisa que pareça gravemente errada, avariada, mal acabada ou mal pensada, inaceitável ou incrível, é escusado pôr-se com dúvidas porque aquilo é mesmo assim".

- O "mesmo assim" é, ele sim, uma das forças dissolventes da nossa alma. Esperamos que a selecção portuguesa se redima nos relvados mexicanos. E que ninguém tenha de perguntar: "Estão a jogar mal de propósito ou é mesmo assim que jogam?".

em 1986 a selecção portuguesa preparava-se para disputar no México o Mundial de futebol. 20 anos depois, prepara-se para o Mundial da Alemanha. um país inteiro está ansioso por uma boa prestação, para poder pendurar bandeiras nacionais nas janelas, nos carros, nas varandas, nas portas, nos cafés, enfim, para que se crie um ambiente de folia igual ao que se viveu em 2004, aquando do Europeu da modalidade, realizado em Portugal. o nosso povo é "mesmo assim": a nossa selecção ou é "a melhor de todas", ou "a pior de todas"; ou estamos eufóricos com os seus feitos, ou totalmente abatidos com as derrotas. não há meio termo. de bandeiras nas varandas e em tudo o que é sítio (estilo os carros dos emigrantes, com autocolantes por todo o lado e corações a dizer I love Portugal) passamos rapidamente para "mandem o Scolari embora", "o figo já não pode com as pernas", "o cristiano ronaldo é um brinca na areia", "o pauleta só percebe de queijos e o nuno gomes de hamburgers", etc..
só espero que, quando acontecer a inevitável eliminação (sim, porque eu não entro nessa corrente de opinião lunática que entende que Portugal pode ser campeão mundial), os jogadores, seleccionador e dirigentes não venham para as conferências de imprensa dizer que "o futebol é mesmo assim".

1 comentário:

Cereja_no_Bolo disse...

Gosto do MEC, para começar.
Admito que me deixei entusiasmar com o Euro, embora não tenha respondido ao apelo do Scolari. Não pendurei a bandeira na janela. E admito que agora estou a torcer por Portugal, embora não vá pendurar a bandeira na janela. E apesar de perceber muito pouco de futebol, até acredito que façam alguma coisa de jeito (se calhar é porque percebo mesmo muito pouco, não sei). Se Portugal voltar de cabeça baixa para casa, sou das tais que vai dizer: paciência!