terça-feira, fevereiro 01, 2011

o clube com os dirigentes mais estúpidos do mundo

a política de contratações do sporting chega a roçar o ridículo. deixaram sair joão moutinho, para irem buscar maniche, em final de carreira. foram buscar, sem nenhuma razão que o justifique, até ao momento, hildebrand e tales de souza (que nunca vi jogar...), já em fecho de mercado, quando o treinador paulo sérgio reclamava um "pinheiro", ou seja, um jogador alto para a frente de ataque. com pedro mendes e andré santos no plantel, foram buscar mais um trinco, zapater, quando faltavam jogadores para outras posições (extremos, médios ala). regressando à linha avançada do sporting, no início da época havia liedson, postiga, saleiro, djaló e sinama pongolle. mesmo assim, paulo sérgio queria mais um jogador (o tal pinheiro). contra todas as expectativas, o clube empresta pongolle ao saragoça. para o seu lugar... não veio ninguém. nem pinheiro, nem eucalipto, nem cedro... agora, uns meses depois, acontece exactamente a mesma situação: liedson sai e, para o seu lugar, não vem ninguém. ainda ecoam na minha cabeça as palavras do presidente do atlético mineiro, que considerou "ridícula" a oferta do sporting por kléber (marítimo), quando já havia acordo entre os dois clubes portugueses. ou seja, com a liga europa e a taça da liga ainda no horizonte leonino, paulo sérgio, que tinha cinco avançados no início da época, tem agora três. e que três, meu deus!! postiga, saleiro e djaló. as defesas adversários já começaram a tremer... pior do que isto, que já é mau o suficiente, é o facto de o sporting ter vários avançados emprestados, a rodar, e nem sequer aproveitou para ir buscar um ou dois deles. deve ser imensa a confiança naqueles três avançados temíveis que lá estão.
a questão dos defesas centrais é mais um exemplo da inépcia das pessoas que colocaram à frente dos destinos do clube. contrataram um central argentino, por sinal bem caro, para ficar no banco, enquanto a titular joga aquele que nos últimos anos mais asneiras tem somado, polga. veio igualmente nuno andré coelho, mas depressa foi recambiado para o banco. ou seja, polga, que no ano passado chegou a ser o terceiro central, atrás de tonel e carriço, ultrapassou a concorrência e ficou com o lugar. qual é a lógica? venderam tonel, que era melhor que polga, contrataram dois centrais, mas nenhum deles, aparentemente, é melhor do que polga. confusos? pois, também eu. o sporting foi igualmente o primeiro clube a mostrar-se interessado em jardel, do olhanense. para onde é que ele foi? para o benfica, pois claro.
extremos, falemos de extremos. não temos, infelizmente. o clube preferiu contratar trincos, centrais que não jogam e jogadores a custo zero que nem sequer são convocados (hildebrand e tales). chegamos ao cúmulo de serem os próprios jogadores a recusarem o sporting, como aconteceu esta semana com djalma, do marítimo, que ia ganhar três vezes mais em alvalade do que aufere no funchal, mas, mesmo assim, não quis ir para o sporting, apesar de, tal como com kléber, já haver acordo entre os dois clubes. falou-se de samaras, do celtic, num negócio que envolvia a cedência de caneira ao clube escocês (portanto, era matar um coelho com duas cajadadas), mas nem sinal do grego. outro jogador que, há anos, era apontado a alvalade, carlão, da união de leiria, também se deixou escapar. e este até tinha realmente vontade de ir para o sporting (coisa rara nos dias de hoje...). portanto, quanto à política de contratações, estamos conversados. foram erros atrás de erros, salvando-se as contratações, no ano passado, de joão pereira e pedro mendes, e, nesta época, de evaldo e valdés. numa segunda linha, a decisão acertada de fazer regressar andré santos e a contratação de zapater.
desta forma, não há treinador que resista. paulo sérgio é fraquinho, tem muitas limitações (uma delas é a de ainda pensar que está a treinar o paços de ferreira ou o santa clara), mas também não lhe deram uma abébia, sobretudo em termos de avançados. e agora, para cúmulo, levaram-lhe o único que sabia, de facto, jogar à bola.
na próxima sexta-feira, quero ver o estádio cheio para homenagear liedson, no seu último jogo pelo sporting. ficou provado que o clube nunca o mereceu. liedson merecia outros palcos, merecia ter sido campeão e nunca o foi. compreende-se que agora, aos 33 anos, procure suprimir essa lacuna na sua carreira. era mais do que óbvio que no sporting nunca iria ser campeão. nós, sportinguistas, só temos que nos dar por satisfeitos pelos anos que liedson deu ao sporting. ganhou duas taças de portugal, duas supertaças, foi duas vezes o melhor marcador do campeonato, foi finalista da taça uefa, quatro vezes vice-campeão nacional e é o melhor marcador de sempre do sporting nas competições europeias.
na sexta-feira, por favor, façam-lhe a homenagem devida.
liedson ficará para sempre no coração deste sportinguista...

1 comentário:

rasgos em rosa e cinza disse...

Não gosto da palavra "estúpido".
Só pelo simples facto de que quem, normalmente, a emprega para "qualificar" o próximo tem tendência a mirar-se constantemente ao espelho. E talvez por ignorância em relação ao seu significado completo.
Não é, obviamente o caso, mas... não gosto da palavra.