terça-feira, agosto 24, 2010

sinais

por vezes, uma série de acontecimentos, vulgo conjuntura, levam-nos a acreditar que a própria vida se encarregou de nos enviar sinais, no sentido de tomarmos aquela decisão que nos anda a bailar na cabeça há algum tempo. ultimamente eles têm surgido em largo número, desembocando num tão evidente quanto o botox na cara da manuela moura guedes. a decisão será, agora, mais fácil de tomar, na medida em que tenho a sensação de que até o fundo do poço já ultrapassei. a sensação que tenho é que será impossível encontrar pior e que tudo o que surja, seja quando e onde for, ganhará sempre em comparação. realmente, a vida é muito curta para esbanjarmos o nosso precioso tempo com pessoas que evitaríamos a todo o custo noutras circunstâncias.
esta é, definitivamente, a altura certa para fazer "delete" e passar uma enorme esponja sobre estes últimos anos. afinal de contas, como que por magia, o destino encarregou-se de apagar tudo o que foi construído na minha passagem. quem poderia resgatar tudo isso... decidiu não o fazer, naquele que constituiu um grande empurrão para um novo desafio, com outros objectivos, outras metas, outra realização e, sobretudo, outras pessoas. as máquinas avariam, mas podem ser, havendo vontade para isso, reparadas; as pessoas, essas, nunca hão-de mudar.

2 comentários:

rasgos em rosa e cinza disse...

Como percebo essa tua necessidade de "delete". Sei que caminho para lá, mais ou menos, por cima das tuas pegadas... Agora percebo a expressão dos "manos" brasileiros: "estar de saco cheio". Porque, se pararmos para tentar reduzir em palavras este.. sentimento.. acho que a melhor forma para explicar é mesmo essa: imagine-se um saco de um aspirador a encher constantemente e sob pressão...

A happy single mother disse...

Tudo certo neste texto, apenas uma correcção ligeira: um número pequeno (mas mesmo muito reduzido!!) de pessoas pode ser reparado, logo mudado...e são essas pessoas que nos fazem realmente ver que "a vida é muito curta para esbanjarmos o nosso precioso tempo com" tudo o resto.

(Adorei também o comentário anterior; mas sabes, sempre que mudo o tal saco cheio do meu aspirador, nunca tenho coragem de o deitar fora logo, primeiro analiso o seu interior e nem imaginas as coisas que encontro e que julgava perdidas para sempre...)