quarta-feira, março 04, 2009

as cartas de amor

(vou começar este post como se tivesse 78 anos. ora, reparem nas primeiras três palavras... ah, e também sou dos poucos bloggers que iniciam um texto com frases entre parêntesis).
no meu tempo, escrever uma carta para a namorada era algo que se fazia com tempo, dedicação e paciência. não era algo que se fizesse em dois minutos, tinham que estar reunidas várias condições: casa vazia, uma música calminha de fundo, uma caneta em bom estado e papel em quantidade suficiente, não fosse a inspiração bater e não haver folhas para a "despejar". depois, o simples facto de se escrever à mão fazia com que nos esmerássemos na letra, na apresentação da carta, na caligrafia e ortografia, tentando não dar erros, porque era sempre complicado apagar e ficava sempre mal um enorme borrão no meio da carta. portanto, havia muita meticulosidade, tanto no que se dizia como na maneira como se escrevia. tudo tinha que sair perfeito, para impressionar a namorada. lembro-me de estar a escrever e de estar, ao mesmo tempo, a tentar imaginar a reacção da pessoa que ia ler aquelas palavras, as sensações que lhe ia arrancar, as lágrimas que ela poderia derramar... sim, eram outros tempos. até a carta ir para o marco de correio passava por várias etapas: dobrar meticulosamente a carta para caber no envelope, escrever com cuidado a morada do destinatário, para ela não ir parar a marrocos, fechar bem o envelope, eu utilizava cola, sempre me dava mais garantias, comprar e colar bem os selos (uma vez os selos descolaram-se, mas a carta foi lá parar na mesma. grandes correios portugueses...) e, por fim, introduzi-la no marco de correio. no final, ficava sempre uma sensação de satisfação, porque sabia que aquelas minhas palavras iriam ser lidas no dia seguinte e que eram, apesar da distância que nos separava, um pedaço de mim que a minha namorada ia receber. depois, era sempre muito gratificante quando vinha a resposta. receber uma carta era um bálsamo, um enorme beijo virtual em forma de envelope que se soltava quando se abria a caixa do correio. lembro-me de guardar bem a carta, preferindo lê-la quando tivesse realmente tempo para me debruçar sobre cada palavra nela incluída. e como me sabia bem ler uma carta da minha namorada, saber que ela tinha tido a mesma dedicação que eu ao escrevê-la e que guardou um pedaço do seu dia para me dedicar umas palavras. sim, eram outros tempos... mas não há muito tempo atrás. tudo isto que eu descrevi até agora passou-se há 15 anos. os meus primeiros anos de namoro foram assim, de carta em carta, até aos encontros ansiados e tantas vezes descritos nas cartas trocadas. e como sabiam tão bem esses reencontros, depois desses autênticos "preliminares" em forma de envelope.
hoje, duvido que ainda se namore assim. depois do telemóvel, sms, internet, messenger, hi5, skype a afins deve ter ficado tudo um pouco mais frio e menos sentimental. já ninguém se deve sentar a escrever uma carta. já ninguém deve comprar envelopes ou selos. agora é tudo por mail, por messenger ou por telemóvel. a preocupação com a caligrafia e a ortografia perdeu-se, aliás até é "cool" junto da malta jovem escrever coisas como "qq", "tb", "bjs" ou "pk", sempre se esconde a verdadeira realidade, que é a de não saber escrever verdadeiramente.
irrita-me que vá acontecer o mesmo com os meus filhos, quando passarem por esta fase. daqui a 10 anos ainda vai ser pior, ou seja, já nem devem existir selos, nem envelopes, nem marcos do correio. as saudades serão mitigadas com mensagens do género "tou xeio de saudds tuas mor", enviadas por telemóvel em cinco segundos, quando há uma nesga de tempo, assim do género de uma ida à casa de banho. se não houver nada para ler enquanto se lá está, leva-se o telemóvel e manda-se a mensagem. assim não se perde tempo valioso.
escrever uma carta, no meu tempo, demorava pelo menos uma hora; agora qualquer mensagem de amor demora um minuto; daqui a 10 anos, durará cinco segundos. será possível medir a intensidade dos sentimentos da mesma forma?
no meu tempo é que era...

5 comentários:

un tocco di zenzero disse...

gostei muuuuuuuuuuuuuuuito do que escreveste...eu acho a misma coisa...e ainda escrevo cartas, e gostaria de recebir-as...é tão romantico...

saltarica2002 disse...

E mal sabem os jovens de hoje o que estão a fazer, quando terminam uma sms ou mail com um "inofensivo" Bj!!!

saltarica2002 disse...

E mal sabem os jovens de hoje o que estão a fazer, quando terminam uma sms ou mail com um "inofensivo" Bj!!!

saltarica2002 disse...

Ups, não sei o que lhe deu...duplicou!

na outra banda disse...

se escrevesse tão bem como tú, já estaria casado!! :))
belo post!!