terça-feira, outubro 09, 2007

a MÚSICA!

há músicas que encaixam verdadeiramente na nossa maneira de ser, que são autênticas bandas sonoras do nosso dia-a-dia, do que somos, do que sentimos. músicas que ecoam pelo nosso cérebro sem ser necessário um leitor de cds ou um mp3. estão cá dentro, fazem parte de nós. sons etéreos, deambulações emocionais, entre o riso e o choro, a paixão e a dor. há músicas que gostamos de "visitar" todos os dias, como um livro que se leu e que se relê com renovado interesse, sem desgaste. esta é uma dessas músicas: "holes", dos mercury rev. acho que foi a música que mais ouvi nestes últimos dois anos. é uma paixão, um arrebatamento, uma exaltação sentimental que se vive durante os 5 minutos e 56 segundos da música. no final, quando se começa a ouvir o trompete, é quase impossível segurar as lágrimas, a barragem colapsa, inundando de água cristalina uma face de expressão ambígua: por um lado a felicidade de conhecermos tal preciosidade musical; por outro o turbilhão emocional desencadeado pela música confronta-nos com sentimentos que julgávamos escondidos, trazendo à "superfície" aqueles primeiros desgostos amorosos que vivemos, as horas de amargura até ao próximo encontro, a ansiedade e o desejo incontido de voltar a estar com a pessoa amada, uma paixão mal curada, uma ou outra ilusão passageira que nunca saberemos o que poderia ter dado. enfim, tantas e tão variadas emoções, "all those endless ends, that can't be tied, oh they make me laugh, and always make me cry".

"holes" - mercury rev

Time, all the long red lines, that take control,
of all the smoke like streams that flow into your dreams,
that big blue open sea, that can't be crossed,
that can't be climbed, just born between,
oh the two white lines, distant gods and faded signs,
of all those blinking lites, you had to pick the one tonite...

Holes, dug by little moles, angry jealous spies,
got telephones for eyes, come to you as friends,
all those endless ends, that can't be tied,
oh they make me laugh, and always make me cry,
til they drop like flies, and sink like polished stones,
of all the stones i throw, how does that old song go?
how does that old song go?
Bands, those funny little plans, that never work quite right.



1 comentário:

Hugo disse...

É uma canção fenomenal!