quinta-feira, abril 19, 2007

resolução


cheguei à conclusão, ao chegar à tão falada "crise da meia idade", que quero escrever um livro. a empreitada não será fácil de concretizar, nem por sombras, mas o empenho e a dedicação vão ser totais. para tal, o meu primeiro passo nesse sentido foi o de comprar um computador lá para casa (ou melhor, aqui para casa. estou tão habituado a fazer os textos no trabalho que até me esqueci que estou a escrever isto em casa). sim, este é o primeiro post que faço em casa. neste momento toda a gente dorme, menos eu, que estou enfiado aqui no quarto a escrever e a ouvir, ao mesmo tempo, os the cure. a propósito, raios me partam se o tema "trust" não é das músicas mais belas feitas até hoje… é simplesmente fabulosa! lembro-me perfeitamente de a ouvir, ao vivo, na primeira edição do super bock super rock, na gare de alcântara, em 1995. fechei os olhos e… chorei de emoção. a música sempre carregou uma enorme carga emocional e marcou, também ela, uma importante fase da minha vida. em 1995 soou exactamente como eu a queria ouvir e não consegui evitar o meu colapso emocional. era o fim de um ciclo, de 1990 a 1995, que teve basicamente como banda sonora os the cure e os discos "desintegration" e "wish". sempre que ouço "trust", "to wish impossible things", "the same deep water as you" ou "plainsong" lembro-me do que foram os meus últimos anos de estudante e os primeiros como trabalhador. depois ocuparam o lugar desta banda os american music club e os red house painters, que também já tive o privilégio de ver ao vivo.
mas voltando ao início deste texto: já plantei algumas árvores e tenho dois filhos. portanto, falta o livro. tenho algumas ideias, personagens em construção, cenários por situar, um esboço de argumento, etc.. conheço as minhas limitações, sei perfeitamente que nunca conseguirei escrever, por exemplo, um texto tão brilhante como a última crónica de lobo antunes na visão. mas que diabo, a nossa missão neste mundo é precisamente vencer as nossas próprias limitações, crescer como pessoas e sentirmo-nos, no final, realizados e contentes com o resultado. no meu leito de morte não quero sentir remorsos de nada, por não ter feito algo que devia ter feito, ou por não ter dito às pessoas que amava que gostava delas. não, quero morrer com a consciência tranquila, com a garantia de que tentei fazer tudo aquilo que quis fazer. ninguém faz a mínima ideia de quanto tempo mais vai andar "por cá", vamos caminhando lentamente para a inevitabilidade da morte. e depois? que imagem vamos deixar? que contributo é que nós demos ao mundo? vamos ser lembrados por alguma coisa? provavelmente não…
o que eu escrever, seja de que qualidade for, péssimo, de mau gosto, fraquito ou razoavelzinho, ficará como testemunho da minha passagem "por cá". ficará em testamento para os meus filhos e deles para os meus netos, e assim sucessivamente. é essa a minha vontade. eles depois que entendam qual será o melhor destino a dar-lhe. (curioso que, neste momento, esteja a ouvir "the funeral party", dos the cure). vai também ficar registada a minha própria evolução (ou a falta dela) como "escritor", visto que pretendo escrever, se me deixarem "cá" andar tempo suficiente, um livro de cinco em cinco anos. quem sabe se, aos 80 anos, não sai efectivamente alguma coisa de jeito.
até lá, à sua conclusão, vou tentar divertir-me a escrevê-lo para que, em cada página, venha reflectido o meu enorme prazer por cada noite sem sono passada a escrever, por cada piada parva metida na narrativa, por cada personagem criada para interagir com outra. é isto que eu quero fazer! e é tão bom quando temos objectivos, mesmo irrealizáveis, e pretendemos alcançá-los…

1 comentário:

ricardo disse...

Vê lá se não escreves o livro ao som dos The Cure, meu, senão sai uma coisa assim a puxar para o fúnebre!