segunda-feira, janeiro 29, 2007

dominado

considero-me uma pessoa organizada, sou viciado em pontualidade, devo olhar umas 354 vezes para o relógio (do meu telemóvel, porque não uso relógio). por norma, todos os meus dias são delineados mentalmente no dia anterior. também por norma, esses mesmos dias correm, sem surpresas, como o previsto. sei o trabalho que me espera, sei com que pessoas vou lidar, onde vou almoçar, a que horas hei-de ir buscar os meus filhos, a que horas vou chegar a casa, etc.. em suma, à primeira vista, a minha vida parece muito previsível e nada entusiasmante, sem distrações, sem grandes novidades, sem perseguições de automóvel ou bombas para desactivar no último segundo. sinto, por vezes, que domino perfeitamente tudo o que se passa na minha vida, na minha pequena redoma, sem necessidade de aventuras ou surpresas. uns chamar-lhe-iam conformação ou resignação. mas não é. acho que é mais uma plenitude, um estado de alma estacionário, que já percorreu várias estações de serviço ao longo da auto-estrada da vida e agora escolheu uma para ficar, controlando toda a sua área de jurisdição, incluindo as casas de banho e o refeitório.
por ser precisamente assim, como descrevi no longo parágrafo anterior, é que me irritam algumas imponderabilidades e incertezas. gosto de ter tudo delineado, agendado, programado; caso contrário a ansiedade acaba por dar cabo de mim. não devo ser o único a pensar assim ou a sentir isto. simplesmente gosto da sensação de ter tudo dominado e quando me vejo numa situação em que não sou eu a determinar ou a decidir, fico... meio perdido.
serve isto tudo para dizer que tenho saudades de algumas pessoas, pessoas essas que gostaria de ter mais vezes no meu dia-a-dia, mas que infelizmente não fazem parte daquela minha delineação diária. o que me transtorna ainda mais é não fazer a mínima ideia quando é que as vou voltar a ver. 24 de abril? 14 de setembro? 3 de dezembro? transtorna-me não ter uma data, uma ideia, uma certeza. daí a minha "revolta". tenho inveja das pessoas que lidam com os amigos todos os dias, no mesmo café, ao almoço, ao jantar, idas ao cinema, etc., um pouco como a série "friends". quando vejo a série imagino como seria fantástico ter algo assim, viver algo assim.
sinto-me mesmo impotente quando sou dominado pela minha incapacidade de dominar este aspecto da minha vida...

1 comentário:

A. Duarte Lázaro disse...

percebo-te perfeitamente. sou mt como tu e sinto exactamente o mesmo...