segunda-feira, setembro 11, 2006

loose change



11 de setembro de 2001.
todo o mundo viu o que se passou. viu aquilo que lhe foi dado a ver. o que não interessava ver... nunca foi mostrado. interessava ver os aviões a bater nas torres gémeas? sim, interessava. interessava ver a queda das torres? interessava sim senhor, para o público poder formar a sua opinião e chegar à conclusão que os terroristas mereciam pagar com a vida o que estavam a fazer ao povo americano. e o avião a cair sobre o pentágono? isso já não interessava ver, certamente. um dos edifícios mais bem protegidos e vigiados do mundo não "apanhou" em nenhuma das suas centenas de câmaras uma única imagem do suposto embate. o hotel sheraton, próximo do pentágono, captou imagens do "ataque terrorista", mas foram rapidamente sonegadas ao domínio público pelos serviços secretos, ameaçando inclusivamente as pessoas que tinham visto as imagens a não se pronunciarem publicamente sobre as mesmas. os relatos sobre este acidente são contraditórios. ninguém viu um avião a aproximar-se. uns viram um helicóptero, outros uma avioneta. que diabo, para chegar ao pentágono, o alegado avião passou por uma auto-estrada. ninguém o viu? o relvado à frente do pentágono está intacto, portanto o avião não deslizou. ou seja, batendo a uma velocidade incalculável, sem "amortecer" no solo, directamente no edifício, o avião só causaria aquele "buraquito" no pentágono? e para onde foram os destroços do avião? o que aparece nas imagens "facultadas" são pequenas peças soltas, algumas nem sequer pertencem ao tipo de avião que alegadamente chocou com o pentágono.
há anos que se especula em torno dos atentados de 11 de setembro. há ainda muita coisa por explicar: as ligações de telemóvel do interior dos aviões, que mais tarde se provaria serem impossíveis de realizar (esse aperfeiçoamento técnico só foi feito em 2004 e apenas em algumas companhias de aviação); relatos de pessoas que viram dois dos aviões envolvidos a aterrar calmamente noutra cidade, o que indicia que os aviões que realmente bateram nas torres e no pentágono não tinham passageiros a bordo; os destroços do avião que supostamente se dirigia para a casa branca são, no mínimo, intrigantes: um buraco fundo no chão, nenhum vestígio do motor ou de outras peças de igual porte, nenhum sinal de corpos; questionável também é a "perícia", ou a falta dela, dos alegados pilotos terroristas (alguns deles chegaram a alugar avionetas nos EUA e a sua capacidade para pilotar foi classificada por um responsável por uma empresa de aluguer como "fraca" e "baixa"); a lista que foi revelada dias depois do atentado contendo a identidade dos terroristas possui erros crassos: nove dessas pessoas estão... vivas.
outro facto que ainda intriga muita gente é o do desabamento das torres gémeas, um dos edifícios mais seguros do mundo. ninguém parecia acreditar que alguma vez elas se desmoronassem assim, como se de uma implosão de tratasse. o que é certo é que caíram mesmo, sendo a primeira a cair aquela que foi atacada mais tarde. inúmeros relatos de bombeiros e funcionários do world trade center apontam para explosões no interior do edifício; inclusivamente nas dezenas de imagens da queda das torres podem ver-se clarões de explosões em vários andares. terá sido mesmo uma implosão? um terceiro edifício, mesmo ao lado das torres, também desabou. coincidência? talvez não. é que esse edifício pertencia ao governo norte americano, com escritórios do FBI, CIA e serviços secretos. milhares de documentos e arquivos desapareceram, assim, no meio dos escombros.
talvez tenha sido muito conveniente tudo isto! prefiro não acreditar cegamente na versão dos acontecimentos que o documentário "loose change" avança. o cenário ainda seria mais negro se tudo isso fosse verdade, mais negro ainda que a ameaça terrorista. seria alguém capaz de perpetuar actos deste calibre no seu próprio país, condenando à morte 3 mil pessoas, só para poder ter "carta branca" para iniciar uma guerra contra o iraque, bin laden e saddam hussein?
tirem as vossas próprias conclusões. se não viram o documentário, que passou duas vezes na rtp na semana passada, podem aceder a "loose change" nestes endereços:
http://www.youtube.com/watch?v=CDx1GLqvBO8&search=loose%20change
http://www.loosechange911.com

4 comentários:

A. Duarte Lázaro disse...

Não sei se o documentário de que falas é o mesmo que eu uma vez saquei num feliz acaso (estava a tentar sacar um outro filme e apareceu-me sob o nome do filme um documentário sobre o 9/11). Nem sabia que a RTP tinha tido a audácia de passar um documentário desse tipo... deram todos muito tarde e acabei sempre por me ir deitar e não ver nenhum. A verdade é que quando vi o documentário fiquei estupefacta. Não acreditando cegamente em tudo o que é dito, muitas questões ficaram a relampejar na minha cabeça e as respostas continuam por encontrar... acho que às vezes a verdade é demasiado horrível para a enfrentarmos...
Este dia continua a doer-me...

Nan disse...

é tudo muito inquietante e nada me custaria a acreditar numa das várias teorias de conspiração interna que têm surgido, em livro ou documentário. todas com várias provas, cada uma mais inconcebível para a nossa civilização. que outra...mas, a ser assim, tudo seria de ter feito em conluio com o próprio bin laden, tendo em conta os vídeos irrefutávelmente verdadeiros que ele tem feito a regozijar-se com a vitória sobre a imperialista américa, tendo, num deles, descrito até questões de engenharia em que se baseou para apontar os aviões para determinado sítio. em nenhum vídeo desmentiu a responsabilidade quanto ao avião que embateu no pentágono e o outro que os passageiros fizeram despenhar antes de embater na casa branca.
sabes o que eu acho que temos aqui? um caso insolúvel como o do assassinato do presidente kennedy. meio mundo acredita na versão oficial, meio mundo, não. estamos a assistir precisamente a uma repetição desse acontecimento. mais mortos, é certo. mas, como se diz, do ponto de vista do morto, tanto faz...
gravei, ontem, um documentário que ainda não vi. fui olhando de quando em vez enquanto gravava. a dada altura fala-se de previsões de défices e inflações assustadoras para os estados unidos se a economia não encontrasse um meio altamente galvanizador...e todos sabemos como a guerra contribui para que a economia dos países vencedores suba em flecha. não sei bem do que estou a falar, tenho de ver o documentário primeiro, tirar ilacções.
há, contudo, desde o início, uma idéia que não me abandona. todos os passos dos estados unidos se encaminham para o irão há muitos anos, desde até quando eles armaram o iraque numa tentativa deste país lhes abrirem caminho...e vemos agora o que está a suceder com o irão.
tenhamos medo, muito medo...o pesadelo parece-me só agora ter começado...

isaac davis disse...

bem visto nan. a indústria da guerra movimenta muito dinheiro e fomenta emprego. o que seria da economia de vários países se não pudessem vender armas? e tens razão na questão do iraque ser apenas uma ponte para os e.u.a. "entrarem" no irão. por isso a insistência de bush na guerra no iraque e no controlo total daquele país pelos e.u.a.. será decisivo este factor caso entrem em guerra com o irão.

Anónimo disse...

Na semana em que deu o Loose Change deram mais 4 documentários sobre o 11 de Setembro. Sobre esses ninguém fala. Preferem acreditar que durante meses, infiltraram toneladas de explosivos em duas torres cheias de pessoas, e que ninguém viu esses explosivos serem instalados. Preferem acreditar que as caves das torres estavam cheias de ouro, sem se interrogarem porque razão ninguém encontrou uma só barra de ouro nos escombros. Preferem acreditar numa cabala gigantesca que envolveu milhares de pessoas, sem que ninguém saiba quem são e onde estão.

Não acreditam que o 11 de Setembro foi obra de lunáticos fundamentalistas islâmicos!? E os atentados de Madrid? E os atentados de Londres? E os atentados no Egipto, na Turquia e em Marrocos? E os atentados falhados este ano, em Inglaterra e esta semana em Frankfurt?